Especial Carnaval 2015 – Uberlândia

Garotos do Samba fará desfile com influências africanas

As semelhanças e as influências da África no Brasil estão no tema escolhido pela escola de samba Garotos do Samba para o Carnaval 2015 em Uberlândia. Com o enredo “Africanidade, somos todos zumbis”, a agremiação será a terceira a entrar na avenida José Roberto Migliorini na noite do dia 15. Mais de 600 integrantes defenderão a “Loba”, como é carinhosamente chamada a escola, e suas cores verde e branco.

Com o enredo “Africanidade…”, a Garotos espera contribuir na quebra dos paradigmas culturais que existem no Brasil e resistem ao tempo. Ao utilizar esta proposta, a escola exibirá elementos do senso comum quanto à África aliados a uma rica diversidade cultural existente no continente. Quem assistir ao desfile verá um desenrolar que engloba desde a natureza selvagem e rudimentar e a retirada dos africanos para o tráfico negreiro até as seculares influências africanas na ciência, religião, culinária, dialetos, artes, moda, entre outros segmentos.
“Nossa abordagem também é percebida no dia a dia de Uberlândia. Um exemplo é a região onde está a Garotos desde sua formação, um local onde moraram vários afrodescendentes que lutaram por suas causas”, disse o carnavalesco da Garotos do Samba, Pedro Barbosa, ao fazer referências aos bairros Martins e Osvaldo Rezende. O carnavalesco foi um dos idealizadores do enredo e para chegar ao resultado final pesquisou sobre o assunto, inclusive em suas viagens e intercâmbios acadêmicos em países como Cuba e México. Outro assunto que promete despertar a atenção do público é a lei 10.639, de 2003, que tornou obrigatório o ensino da cultura e da história africana e afro-brasileira nas escolas de ensino fundamental e médio.acarna1Para garantir um desfile equilibrado e que fluirá de acordo com o enredo, a escola entrará na “passarela do samba” com 14 alas, divididas em quatro setores. O primeiro mostrará a retirada dos africanos de seu continente e o tráfico humano. No segundo setor o público acompanhará a resistência dos negros e a formação de quilombos. As diversas influências africanas estarão no terceiro setor. Encerrando o desfile, o quarto setor questionará questões atuais referentes aos negros, como chances de ascensão e de reconhecimento pessoal.
“Tudo foi montado como uma peça teatral, já que o desfile das escolas de samba é uma obra de rua e para o povo”, disse o presidente da Garotos do Samba, Otávio Afonso Junior (Tavinho).

Garotos e sua história

A Garotos não nasceu Garotos. No ano de 1955, o senhor Eugênio Silva, morador do bairro Martins, fundou a escola com o nome original Pavão Dourado/Zanzibar. Foi um ano memorável quando seu fundador dirigiu e desfilou sua agremiação com as cores verde, branco e azul. O local dos ensaios era o Clube Zanzibar que promovia movimentados bailes aos finais de semana.
Em 1961, após o falecimento do fundador, Otávio Afonso (Mestre Bolo) assumiu a direção da escola. O primeiro título de campeã foi em 1967 com o enredo “Garotos do Samba da Cidade Industrial”, sugerido pelo radialista Moacir Lopes de Carvalho e que teve samba-enredo composto por Maurício Caixeta (o Toto). A vitória com o tema empolgou os integrantes, que resolveram mudar o nome da agremiação para Garotos do Samba.
Já o apelido “Loba” surgiu no ano de 1970 quando o jornalista e locutor oficial do carnaval na época, Ademir Reis, anunciou a entrada da escola na avenida. “A bateria adotou uma batida diferente durante as apresentações. O locutor se empolgou e anunciou que era a Garotos do Samba, com uma nova e diferente batida que parecia o chamado de uma loba”, contou Pedro Barbosa. O público gostou, adotou o animal como mascote e a Garotos passou a ser carinhosamente chamada de Escola da Loba, detentora de 14 títulos de campeã.auber3

Garotos do Samba em 2015
Enredo: “Aficanidade, somos todos zumbis”
Presidente: Otávio Afonso Junior (Tavinho)
Carnavalesco: Pedro Barbosa
Total de integrantes: 600
Alas: 14
Setores: 4

Samba-enredo: “Africanidade, somos todos zumbis”
Compositor: Bruno Loba Music
Intérpretes: Jader, Carlinhos, Ramon, Elbinho e Robison

Refrão 1
Aqui na Loba somos todos Zumbi!
Batuca aí, oh quilombola
Mostra a sua força e sua história

A Loba canta nessa avenida,
A diáspora africana,
Somos bantos e sudaneses,
Filhos de rainhas e reis do congo.
Descendentes de N’zinga,
Guerreira de Matamba,
Que lutou contra o colonizador
Sanguinário e opressor.

Refrão 2
Eu também sou Zumbi, que festa.
Eu também sou Zumbi!
E a hora é essa.
Eu também sou Zumbi!
Vou me libertar.
Gira baiana dance pro seu Orixá.

Na cozinha da Senzala,
Vamos cozinhar,
Feijão fradinho e jiló,
Galinha da angola,
Com quiabo.
Temperado com maxixe,
No azeite de dendê.
Toca, toca bateria,
Que eu quero ver

Tambor de Mina
Na benção do candomblé
Umbanda, quimbanda,
Omolokô e xangô
Batuque, xequerê
E babassuê
É a religião dos guerreiros de Zumbi!

Nos batuques dos atabaques
Na dança do maracatu
Na luta da capoeira
Africanidades, somos todos Zumbi!

Publicidade

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Políticas de Privacidade e Termos e condições, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.